Os Três Tesouros: a Simplicidade, a Humildade e a Afetividade

10628537_565819003523092_7845394232918741486_n

Os Mestres taoistas dizem: “Saiba o que é a verdade que está dentro de você, e saiba a verdade que está for a de você, que p cerca. Saiba encontrar o equilíbrio entre as duas”. Às vezes, é necessário submeter-se aos fatores externos, mas deve-se fazer isso sem perder o valor interior, guardando esse valor dentro do seu coração, esperando o momento próprio e a situação favorável para a sua verdade. (…)

Deveríamos viver simplesmente a vida, sem rancor, sem temor, sem culpa e, ao mesmo tempo, sem perder o princípio. Saber o que é ético, saber o que é certo. Saber o que se pode e o que não se pode fazer. O que se deve e o que não se deve fazer. E assim, naturalmente, viver, a cada dia, as coisas que aparecerem. Não havendo reconhecimento externo, não ficar revoltado; havendo sucesso no mundo, não ficar orgulhoso. Faça a obra apenas, realize sua vida, simplesmente. (…)

Vivendo conscientemente a nossa vida, saberemos que a verdade de ontem, a verdade de hoje e a verdade de amanhã não são, necessariamente, as mesmas. Tendo essa visão, poderemos viver a nossa vida de maneira mais mansa, mais humilde, mais respeitosa e mais tolerante em relação aos demais e a nós mesmos. (…)

Os Mestres taoistas nos ensinam a viver cada vez mais o caminho da naturalidade. Esse é o caminho do coração, o caminho da felicidade, através do qual, naturalmente, nós vamos, aos poucos, adquirindo virtudes. Até, finalmente, chegarmos a um estágio em que seremos pessoas mais tolerantes, mais humildes e mais simples. (…)

Tendo afeto, podemos ser compassivos e tratar a todos com mais amizade a afeição, conseguiremos ser mais tolerantes e mais agradáveis para com a vida e as pessoas. (…)

Se você tem humildade e sabe respeitar o diferente, vai escutar e observar mais, julgar menos e aprender mais. (…)

E quem tem simplicidade, pode lidar com as situações e conflitos sem complicação. (…)

(Wu Jyh Cherng, in Iniciação ao Taoismo, volume 2, Ed. Mauad)

 

Sob o céu todos se consideram o grande.

Não rio disso;

O grande sendo grande, por isso não ri.

Se risse, há muito teria se tornado pequeno.

 

Eu tenho três tesouros

Que valorizo e preservo:

O primeiro chama-se afetividade,

O segundo chama-se simplicidade

E o terceiro chama-se

Não encorajar ser o dianterio sob o céu.

Assim,

Através da afetividade pode-se ter coragem;

Através da simplicidade pode-se ter amplitude;

Não encorajando ser o dianteiro sob o céu

Pode-se concluir o instrumento do eterno.

 

Hoje

Abandonando a afetividade e tendo coragem,

Abandonando a simplicidade e tendo amplitude,

Abandonando o ulterior e tornando-se o dianteiro,

Isso é morrer.

 

Através da afetividade,

Com a manifestação é ordenada a retidão;

Com o resguardo é ordenada a duração.

Quando o céu quer salvar

Utiliza a afetividade como proteção.

 

Lao Tse, in Tao Te Ching, Capítulo 67, Ed. Mauad

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s