Arquivo da tag: I Ching

Tic-tac-tic-tac-tic

O Calendário Taoista funciona como uma complexa engrenagem de rodas dentadas pexels-photo-325845composta por distintos ciclos energético-temporais de diferentes qualidades e durações.

Cada um destes ciclos evolui no tempo segundo uma ordem precisa e oferece uma determinada sequência cíclica de qualidades de influência energética. A combinação destas diferentes qualidades dinâmicas de influência compõe parte da conjuntura energética de cada momento [1].

Independente das influências energéticas mais dinâmicas (trânsitos anuais, mensais, diários, horários,…), a cada vinte anos (ciclo de tempo denominado “Exercício”) temos uma importante energia subjacente que rege esse período e que evolui segundo a qualidade essencial dos nove signos do Luo Shu (vide Época de quê?).

Desde 2004 estamos sob a influência do Exercício Oito, que é regido pela natureza do trigrama Montanha e que permanecerá ativo até 2023.

O trigrama Montanha é formado por duas linhas yin (em baixo) e uma linha yang no topo. Segundo o I Ching, está relacionado ao filho mais novo (último filho), e é o resultado da interação da linha de topo do Céu (Pai, Criativo, totalmente yang) que penetra a linha de topo da Terra (Mãe, Receptivo, totalmente yin) e gera o filho mais moço dos três filhos – Gen, o trigrama Montanha.

Relacionando as três linhas que compõem o trigrama Montanha com os vinte anos do Exercício, podemos dizer que em 2014 nos encontrávamos em uma situação relacionada à linha central (segunda linha) do trigrama (vide 2004 a 2023 – Exercício Oito: Anos regidos pela natureza da Montanha).

Neste momento já nos relacionamos com a natureza da linha de topo do trigrama, que é uma linha yang que, por sua posição (terceira linha) é aparente, está relacionada ao céu (yang, força, criatividade), ao exterior, e cuja situação é extrema (limite máximo de evolução). Neste ponto, a energia yang, ascendendo desde a primeira linha, em baixo, atinge sua culminância… e pára!

A conjuntura energética do momento evidencia, portanto, que a hora é de parar, se deter, se aquietar.

Tic-tac-tic-tac-tic.

Maria João Bastos

[1] Há a considerar ainda as influências derivadas da localização no espaço ao longo do tempo, que também são objeto de estudo do Feng Shui.